Kântele: um instrumento maravilhoso!

Nos dias de hoje devido à grande quantidade de trabalhos e afazeres os pais tem pouco tempo para estar com seus filhos. Nesse ponto o Kântele pode ser de grande ajuda.
O Kântele envolve a criança com seu som delicado e, ao mesmo tempo é envolvido pela criança, pois a forma amorosa no gesto de segurar junto ao coração e tanger as cordas criam um encontro especial entre quem toca e quem é tocado. O Kântele se torna um amigo.  A criança toca para sua boneca, para uma plantinha, para a comida que dança na panela ficar mais gostosa, para seu gatinho, conta histórias com ele, para ele, faz o Kântele dormir, toca para seu pai que chegou cansado e pode ouvir deitado o som carinhoso do Kântele lhe acariciando, toca para sua avó em seu aniversário, etc.

O Kântele é uma pequenina harpa, que pode ter 7 ou 10 cordas indicado para crianças e adultos.
Com um timbre leve, doce e carinhoso, possui uma escala musical diferente dos demais instrumentos: a escala pentatônica. Essa escala dá a este instrumento a capacidade de criar uma esfera flutuante, de sonho e uma sensação de envoltório e proteção. Esse ambiente sonoro alimenta profundamente a alma da criança pequena, de tal forma que é capaz até de harmonizar seus processos físicos.

O Kântele ajuda no processo de “aprender a ouvir os outros” e o mundo ao nosso redor de uma maneira intensa e sensível.  Ele parece dizer ”Ouçam não a mim, mas além de mim”.  É uma ajuda maravilhosa para acalmar e concentrar as crianças.

Sua atuação é direta no sistema rítmico (respiração e batimento cardíaco) acalmando e relaxando todo nosso ser. Os adultos hoje em dia não estão respirando direito e os gestos ritmados para dentro e para fora deslizando nas cordas do Kântele ajudam a regular a respiração, a diminuir a excitação e o nervosismo trazendo uma sensação de bem estar muito grande.
Sabemos que o Kântele, com sua sonoridade e escala especial é como uma gota de vida no deserto sonoro que cerca a criança; deserto no sentido da falta de adequação, pagodes, rock, jazz, entre outros, que não são adequados a essa faixa etária e só deixarão a criança mais excitada e descontrolada. Porque na são adequados?

Quando falamos em alimentação infantil é muito fácil de perceber que a criança pequena precisa começar com alimentos simples e muito, mas muito devagar vai se introduzindo outros tipos de alimento. Não damos carne para um bebê. A música também é um “alimento” que entra literalmente dentro da criança e se espalha por todo seu organismo interferindo em absolutamente todos os seus processos orgânicos. Uma música com muitos instrumentos, com uma harmonia muito densa ou um ritmo muito acelerado ou acentuado vai atuar de forma muito danosa na criança. É preciso que os pais percebam que nem sempre o que lhes agrada é adequado para a criança. Na verdade, atualmente, temos poucas músicas adequadas. O que encontramos muito é uma música popular com letras infantis. Mas toda a carga rítmica e harmônica seria indicada para adultos ou adolescentes.

Única escola de Kântele do Brasil fica em Belo Horizonte

O Kântele é ensinado no Cântaro-Centro de Desenvolvimento Musical que fica no Bairro Santo Antônio. Com histórias e imagens, os professores criam  momentos para o “ouvir”, para cantar e a criança aprende a manusear o Kântele, a tocar canções simples e a criar pequeninas frases, falas musicais.

O Kântele também ajuda muito a educação da criança, no sentido de serem capazes de “ouvir” e silenciar.

Assim, o trabalho musical pode preparar a criança para a vida escolar, para que ela seja capaz de se aquietar, ouvir e receber o conteúdo. Favorece a absorção de conhecimentos, amplia o desenvolvimento intelectual e cognitivo. O Kântele é indicado especialmente para crianças de 0 a 8 anos. Depois dessa idade é indicado o uso da Lira que possui uma escala completa como a do piano e a alimentação musical da criança é ampliada.

É extremamente benéfico nos dias de hoje que a mãe ou a professora de jardim, ao contar histórias ou ao colocar a criança para dormir toque sempre para ela, acalmando-a e preparando para a entrada no sono.

Em torno dos 5 a 6 anos, a própria criança já pode manusear o kântele. Pois este não é um brinquedo (é preciso reverenciar e amar o instrumento) e sua motricidade fina estará mais madura para começar a tanger as cordas.

No Cântaro o trabalho musical com a criança começa a  partir do corpo todo, cantando e saltando, girando na roda para depois chegar ao kântele pois a criança é toda ela movimento. Assim a atividade musical reforça o desenvolvimento da coordenação motor. contrastando com a criança que fica muito tempo em frente da tvs, nos jogos eletrônicos, celulares, etc.

Nas aulas também aparecem muitas visitas como uma lira, outro dia um címbalo, no outro um triângulo, etc. que vão ampliando a vivência e a percepção sonora da criança. Há muitos tipos de brincadeiras, de esconde-esconde, de adivinhação e lindas histórias que nos ajudam a criar momentos maravilhosamente belos de silêncio ou de sonoridades delicadas.

Indicações pedagógicas e terapêuticas gerais:

Harmoniza ambiente, ajuda a acompanhar o canto, cria ambiente para contar histórias, propiciam uma entrada tranquila no sono, além de ajudar na concentração e quietude tão essências hoje em dia.

A abordagem terapêutica geralmente na nossa cultura está ligada a tratamentos e pouco a cuidados e prevenção pois na maioria das vezes a população desconhece a influência negativa de muitas musicas e sons de ambientes.

O Cântaro-Centro de desenvolvimento Musical é a única escola de Kântele e Lira do Brasil e fica em Belo Horizonte, no bairro Santo Antônio.
Telefone: (31) 3344-3236
Karla: (31) 9 9993-7570
Flávia: (31) 9 9295-4913